sexta-feira, 15 de maio de 2015

MAD MAX: ESTRADA DA FÚRIA



Bons filmes de ação são como bons musicais em que os números de canto e dança dão lugar às insanas cenas de ação coreografadas com impressionante maestria por George Miller. Não fosse o suficiente, o longa-metragem ainda traz um universo onde é normal o vilão ter em seu comboio um carro portando uma banda de heavy metal para que as suas perseguições tenham a própria trilha sonora do mal. Mas aviso: se você espera encontrar aqui mais um produto nos moldes Michael Bay, com explosões gratuitas, mulheres servindo como objeto de distração para a plateia masculina e heróis machos alfas que andam de costas para as explosões e transam com quem querem, você, misógino que só quer ver ação e violência injustificadas, cuidado, é uma armadilha! Desse ponto de vista, o novo Mad Max de Goerge Miller (mesmo diretor dos três anteriores, que não precisam serem vistos para entender esse) é, muito além de um filme de ação pra entrar na História, o portador de uma mensagem poderosa e relevante.


Não, nada de “salve o planeta”, isso está implícito desde o começo e Miller parte do pressuposto que é algo que nós já deveríamos estar carecas de saber. Quando a Imperatriz Furiosa (Charlize Theron) parte no comando da Máquina de Guerra para buscar suprimentos na Cidade da Gasolina e na Fazenda de Balas, ela leva escondida consigo as parideiras do líder da sua facção, o temido e adorado Imorten Joe (Hugh Keays-Byrne, reciclado como vilão outra vez depois de ter sido o antagonista também no primeiro longa-metragem da série), que não poupa esforços para sair em uma missão para resgatar suas mulheres perfeitas e matar a Imperatriz. É no meio desta perseguição que entra Max (Tom Hardy), usado como bolsa de sangue do capanga Nux (Nicholas Hoult), que logo consegue se livrar de seu captor e juntar-se ao grupo de fugitivas de Furiosa.

E que aconteça de se chamar Furiosa não é por acaso. Ela deveria mesmo estar furiosa. Afinal, a personagem de Theron é a representação da mulher que luta pelos seus direitos e pela sua liberdade. É como a feminista militante que, justamente por ser isso, mostra pelo corpo as marcas que um mundo ainda misógino garantiu-lhe ter, seja na cabeça raspada, nas cicatrizes pelo corpo ou no próprio braço amputado que exibe sem vergonha alguma. Ela é a responsável por conduzir as outras mulheres a encontrarem o seu caminho contra a repressão masculina. Por mantê-las focadas nesse objetivo de igualdade mesmo quando elas mesmas querem desistir e voltar a se submeterem aos homens que as tratam como objetos; quando uma das parideiras se desespera e tenta se entregar aos capangas de Joe, Furiosa acerta um tiro... Nos capangas, combatendo o mal de onde ele vem, e ainda por cima deixando a decisão de continuar lutando para a garota tomar.

O próprio nome dado ao vilão, Joe, é um equivalente a “mais um da Silva” no Brasil. É um nome comum que é usado como João Ninguém por lá, Chuck Palahniuk chega a usar o nome em Clube da Luta num livro sobre o corpo humano onde Joe é o nome do homem usado de exemplo, já que ele pode ser qualquer um. Ou seja, o antagonista aqui é o “Imortal Homem Comum”, e pode ser eu, pode ser você, pode ser, de fato, qualquer um. Ideia reforçada pela máscara e maquiagem que cobrem o seu rosto durante toda a exibição, impedindo que concretizemos uma identidade nele que não a do monstro que todos os homens poderiam ser, deslocando-se desesperadamente pelo deserto para defender o seu direito de superioridade masculina, de possuir mulheres, e não conviver com elas como iguais. “É minha propriedade!” ele grita para uma de suas parideiras grávidas.

Enquanto isso Nux, primeiro um capanga sanguinário e, aos poucos, um fiel escudeiro, passa por um arco de redenção ao entender pelo que Furiosa está realmente lutando. E note como Miller não procura exaltar essa mudança, comemorando-a ou engrandecendo Nux por compreender algo que, além de óbvio, deveria ser apenas a sua obrigação entender. Do mesmo modo o próprio Max, que dá título ao longa-metragem, não é exatamente o protagonista e divide ombro a ombro a ação com Charlize Theron. Longe da idealização de um herói com os seus modos taciturnos – em uma performance corporal admirável de Tom Hardy -, é até mesmo divertido como, durante o clímax e de um ponto de vista privilegiado, Max contempla admirado uma explosão às suas costas.

Então é genial que Miller use um gênero e um estilo que normalmente atraem primeiramente o público masculino de meia-idade e cabeça dura, em um filme que serve de isca para atrair e aprisionar com ação espetacular e ininterrupta estas mentalidades retrógradas em uma lição de igualdade. Uma lição que o filme carrega e gesta durante duas horas, que do plano inicial, trazendo um homem solitário e sem esperanças em frente a um mundo desolado, chega até aquele que encerra a exibição e que traz lado a lado mulheres, homens, raças, idades e formas de todos os tipos sendo elevados como iguais a um novo mundo cheio de potencial de prosperidade.

E entre um e outro desses planos, George Miller insere sequências de ação que transcendem os limites do insano na sua criatividade. Possuindo um controle assustador da mise en scène, o cineasta comprova que, ao lado de seu montador e fotógrafo realmente pensou e planejou o longa-metragem plano a plano com apavorante minúcia: tendo nas mãos infinitas perseguições em ambientes parecidos, com carros que basicamente são todos cor de ferrugem cobertos de areia, onde existem às vezes mais de três grupos envolvidos e com objetivos diferentes, Miller consegue a proeza de jamais deixar que o espectador se perca e deixe de entender quem está onde em relação a quê e a quem e quando. Tudo é perfeitamente compreensível e, por isso, divertido de se acompanhar. Com câmeras de verdade, em cenários reais, envolvendo atores e figurantes de carne e osso montados em veículos que estão ali na frente das lentes, o diretor consegue se superar em um quesito em que realizadores como Michael Bay, que em cenas muito menos complexas onde tem ao seu dispor câmeras virtuais para enquadrar como quiser cenários, personagens e objetos digitais, são incapazes de se fazerem entender. E não quero nem imaginar a dor de cabeça que não foi ter de decupar o filme e, ainda mais, cuidar de sua continuidade caótica.

Não satisfeita, a equipe de Mad Max: Estrada da Fúria ainda entrega um design de produção precioso em sua composição e detalhes, e cada veículo parece ter a sua história e identidade próprias, de acordo com quem os construiu. Enquanto o trabalho de figurino e maquiagem – nenhuma parte dela digital – impressiona ao dar atenção a um grupo de figurantes infinito e muito distinto em sua variedade. E mesmo os Garotos de Guerra como o próprio Nux são facilmente distinguíveis apesar de seu design básico ser idêntico. E pra fechar, o longa ainda vem embalado com uma trilha sonora empolgante e muitas vezes insuspeita ao, por exemplo, exaltar com beleza a catástrofe que é um carro sendo puxado por um furacão, cena em que Miller – acertando em tudo! – ainda encontra tempo para que acompanhemos o deslumbramento de Nux ao presenciar tal acontecimento, algo que se repete quando o grupo também observa um grupo de homens-corvos andando sobre pernas de pau num lodaçal, momentos que podem parecer frívolos, mas que na verdade são ferramentas essenciais para que nos identifiquemos com as figuras em tela – afinal, nós mesmos também paramos para observar deslumbrados - em um filme que não tem muito tempo para desenvolver essa relação. Além disso, o filme demonstra ter feito o seu dever de casa, e elementos como a banda de heavy metal móvel que citei antes não servem apenas para chamarem atenção para is próprios; o som do rock pesado inúmeras vezes é usado pelo design de som para criar tensão ao anunciar a proximidade ou a ferocidade dos vilões, em um recurso que de certa forma se inspira e homenageia Butch Cassidy, onde o grupo de antagonistas também era precedido por um som crescente que os identificava – lá era o galope dos cavalos, aqui é a guitarra do músico deformado.

E é incrível que, mesmo com uma montagem alucinante na maior parte do tempo, Miller ainda consiga espaço para inserir planos estáticos (ou quase) de beleza ímpar, como aquele que acompanha ao longe dezenas de carros seguindo em direção a uma monstruosa tempestade de areia, ou aquele outro que enquadra em câmera lenta Max acordando ainda coberto de terra. Porém, o plano que mais pesa e impressiona é mesmo aquele já nos segundos finais da projeção, que mostra o nosso herói misturando-se a multidão enquanto Furiosa e seus, agora, iguais, ascendem para começar a construir um mundo totalmente novo. Porque é isso que Miller está dizendo o filme todo, que Max não é o protagonista ou o herói da história daquelas mulheres, nem mesmo daquelas pessoas, ele é mais um, mais um homem comum que ao contrário de Imorten Joe, escolheu ajudar ao invés de ignorar e, por tabela, ajudar que aquela situação se perpetuasse. Max decidiu fazer parte daquela história não pela glória, mas porque era o certo. E ver esse Max mergulhando em um mar de pessoas é ouvir Miller nos dizer que é apenas o que todos deveríamos fazer, para que – e aí vem o plano de encerramento que já mencionei – todos possamos evoluir (ou subir, como fazem literalmente os personagens) como sociedade para outro nível de respeito e igualdade. Pobre machista misógino e ortodoxo que achou que assistiria a mais um filme de ação divertido, porém, vazio. Mad Max: Estrada da Fúria prova que, além de um filme muito bem feito em todos os sentidos, é também um muito bem pensado, o que o faz desde já – e falo isso sem medo de estar exagerando – não só um exemplar de ação genial e impressionante, como também uma obra-prima recém nascida seja de que gênero for.



NOTA: 10/10 (dã?!)


Nenhum comentário:

Postar um comentário